Biografia

CLIQUE AQUI para acessar o currículo Lattes de Rubens Lopes (MÚSICA)

Banda_Kassandra_Gravacao_0592.JPG

O interesse de Rubens pelos instrumentos começou aos 4 anos de idade. Com o apoio de seus pais, teve contato com diversos instrumentos até iniciar o aprendizado formal aos 8 anos, com aulas de piano, harmonia e técnica vocal. Aos 12 anos, já com três certificados de iniciação ao teclado, participou de sua primeira banda como baterista e já aos 14 se profissionalizou tocando em bares, casas de show e gravando seu primeiro trabalho como percussionista de uma dupla de sertanejo-raiz. Ainda aos 14 anos entrou para a Orquestra de Sopros de Fernandópolis com Fernando Paina como regente e mentor, além de Wagner Silva como professor de bateria. Foi nesse período que teve seu primeiro contato com a música orquestral, participou de uma Big Band e também de formações de jazz com o pianista Gustavo Bombonato. Aos 17 anos entrou no curso de bacharelado da UNESP em São Paulo e ao mesmo tempo no PIAP (Grupo de Percussão da UNESP) liderado por John Boudler, aprofundando seus conhecimentos na música clássica e contemporânea. Na faculdade teve aula com Eduardo Gianesella, John Boudler e Carlos Stasi e além das aulas de percussão, teve a oportunidade de aprofundar seus conhecimentos em harmonia, teoria, história da música, música eletroacústica, acústica musical e regência. No final da faculdade foi pesquisador bolsista da FAPESP e foi ganhador do prêmio Excelência 2012.

Em 2012, aos 21 anos, se tornou percussionista da Orquestra Jovem do Estado de São Paulo, com a qual realizou duas turnês internacionais, além de ter sido ganhador de uma bolsa de estudos, o prêmio Ernani de Almeida Machado. Em 2013 concorreu para uma vaga no prestigiado Conservatório Superior de Música de Dança de Paris, onde foi aceito por unanimidade e se tornou o primeiro Brasileiro a entrar no curso de percussão. No Conservatório de Paris pode estudar com os músicos mais conceituados do mundo, como Michel Cerutti, Florent Jodelet, Benoît Cambreling, Nicolas Martynciow, Alexandros Markeas, Vincent Lê Quang, Frederich Stochl, Deborah Diouf e Glenn Ferris, onde obteve 2 diplomas de mestrado – percussão e improvisação generativa (em que obteve a nota máxima do júri) – além de 4 certificados: acompanhamento coreográfico, teatro instrumental, iniciação ao jazz e gamelão javanês.

Tanto no Brasil como na França, Rubens teve a oportunidade de realizar concertos e gravações com as orquestras mais conceituadas do mundo, dentre elas: Orquestra de Paris, Orquestra Nacional da França, Orquestra Philarmonica da Rádio França, Orquestra do País da Loire, Orquestra de Bordeaux, Ensemble Intercontemporain, IEMA Ensemble Modern, DSO Berlin, Orquestra de Câmara de Paris, Orquestra dos Laureados do Conservatório de Paris, OSESP, Orquestra Sinfônica Impromptu, Orquestra Prométhée, Orquestra Sinfônica Pixelophonia, Orquestra EDF, Orquestra Rosamunde, Orquestra dos Hospitais de Paris, Paris Brass Band, Orquestra Lyriade, Bachiana Filarmônica SESI, Orquestra Filarmônica de Minas Gerais, Grande Orquestra de Jean-Jacques Justafré, etc.

Alguns dos maestros com quem já teve o prazer de trabalhar: Esa-Pekka Salonen, Valery Gergiev, Paavo Järvi, Matthias Pintscher, Emilio Pomarico, Vladimir Ashkenazy, Yan Pascal Tortelier, Frank Shipway, Alexandre Desplat, Michele Mariotti, Aurélien Azan Zielinski, Giancarlo Guerrero, James Gaffigan, Jean Deroyer, Maxime Tortelier, Philippe Aïche, Guillermo Garcia Calvo, Quentin Hindley, Marc Lys, Alain Altinoglu, Dennis Russel Davies, George Pehlivanian, Laurent Cuniot, Guillaume Bourgogne, Paul Daniel, Jean-Jacques Justafré, Clotilde Otranto, Leo Margue, Michael Cousteau, Pascal Rophé, Fayçal Karoui, Jean-Philippe Wurtz, Vincent Vittoz, Patrick Davin, Florent Didier, Olivier Cangelosi, Olivier Grangean, Damien Peyré, Mônica Giardini, Luís Fernando Paina, Marcelo Jardim, Edivaldo de Paula, Fabio Mechetti, Claudio Cruz, Reginaldo Nascimento, Simone Menezes, Rodolf Beck, Leonardo Bertolini Labrada, Claudia Feres, João Carlos Martins, etc.

Como percussionista foi também um dos fundadores e integrantes do quarteto Martello em São Paulo e do grupo de percussão do Conservatório de Paris. Em 2017 realizou a gravação da trilha sonora do filme Valerian de Luc Besson e no mesmo ano obteve o 3° lugar do Prix Italia 2017 com a gravação e radiodifusão da obra Rapsodie Monstre do compositor grego Alexandros Markeas pela Radio France.

Como acompanhador coreográfico, pôde trabalhar com o coreógrafo Jarek Cemenek, Sylvie Berthomé, André Lafonta, Deborah Shannon-Diouf, Junior Ballet, Silvain Groud e o New York City Ballet.

Pôde ainda trabalhar ao lado de Toquinho, Flávio Venturini, Ophélie Gaillard, Irmãs Labèke, Michel Jarrel, Ivan Fedele, Ondřej Adámek, Caroline Delume, Fábio Presgrave, Carlos Tarcha, Ensemble Links, etc

Em 2014 formou um grupo no Conservatório de Paris para interpretar as obras de Frank Zappa, além de frequentar durante os sábados as JAM Sessions de música brasileira em Paris, com quem teve a oportunidade de tocar com músicos como Philippe Baden Powell e Natallino Neto.

Através da música Rubens Lopes pode tocar em mais de 12 países diferentes e em 2017 foi o primeiro brasileiro a ganhar um concurso para integrar uma orquestra Inglesa, a Philharmonia Orchestra de Londres, na qual ocupou durante dois anos o posto de 2º percussionista solo no período Trial.

Atualmente, Rubens realiza turnês internacionais com a Grande Orquestra de Jean-Jacques Justafré (GOJJJ e antiga Orquestra de Paul Mauriat), direciona um curso de formação de professores em Fernandópolis-SP, ministra workshops em todo o Brasil, realiza uma pesquisa sobre o aprendizado da música com base nos recentes estudos da neurociência e tem um trabalho focado na caixa-clara e na improvisação livre.

Contribuições em projetos:

Alexandros Markeas

André Lafonta

Bachiana Filarmônica SESI

Banda Jovem do Estado de São Paulo

Carlos Tarcha

Caroline Delume

Chitãozinho & Xororó

Deutsche Symphonie-Orchester Berlin

Ensemble Intercontemporain

Ensemble Links

fábio miguel

Fábio Presgrave

Flavio Venturini

Grand Orchestra Jean-Jacques justafré

IEMA Ensemble Modern

Ivan Fedèle

Jarek Cemenek

Kassandra

Katia et Marielle Labèque

Manuela freua

Marco Aurélio & Zé Vitor

Martello

Michael Jarrell

Ondřej Adámek

Ophélie Gaillard

Orchestre Impromptu

Orchestre de Chambre de Paris

Orchestre de Paris

Orchestre des Hôpitaux de Paris

Orc des Lauréats du Conservatoire de Paris

Orchestre du Pays de la Loire

Orchestre Electricité de France

Orchestre Lyriade

Orchestre National de Bordeaux

Orchestre National de France

Orchestre Philarmonique da Radio France

Orchestre Pixelophonia

Orchestre Prométhée

Orchestre Rosamunde

Orquestra de Sopros de Fernandópolis

Orquestra Filarmônica de Minas Gerais

orquestra sinfônica de jales

Orquestra Jovem do Estado de São Paulo

Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo

Orquestra sinfônica villa-lobos

Paris Brass Band

PIAP

Ricardo Moisés

Sylvie Berthomé

Toquinho

Valerian e a Cidade dos Mil Planetas

contribuições com Regentes:

Adriano machado

Alain Altinoglu

Alexandre Desplat

Aurélien Azan Zielinski

Claudia Feres

Claudio Cruz

Clotilde Otranto

Damien Peyré

Dennis Russel Davies

Edivaldo de Paula

Emilio Pomarico

Esa-Pekka Salonen

Fabio Mechetti

Fayçal Karoui

Florent Didier

Frank Shipway

George Pehlivanian

Giancarlo Guerrero

Guillaume Bourgogne

Guillermo Garcia Calvo

James Gaffigan

Jean Deroyer

Jean-Jacques Justafré

Jean-Philippe Wurtz

João Carlos Martins

Laurent Cuniot

Leo Margue

Leonardo Bertolini Labrada

Luís Fernando Paina

Marc Lys

Marcelo Jardim

Matthias Pintscher

Maxime Tortelier

Michael Cousteau

Michele Mariotti

Mônica Giardini

Olivier Cangelosi

Olivier Grangean

Paavo Järvi

Pascal Rophé

Patrick Davin

Paul Daniel

Philippe Aïche

Quentin Hindley

Reginaldo Nascimento

Rodolf Beck

Shih-Hung Young

Simone Menezes

Valery Gergiev

Vincent Vittoz

Vladimir Ashkenazy

Yan Pascal Tortelier